Motor On Line
Notícias-

Stock Car: Shell vai ao Q3 com Zonta e também Di Mauro no top10 em Mogi Guaçu
Reportagem: Luis Ferrari
Foto: José Mario Dias
Estreando na Stock Car em substituição a Átila Abreu, Vitor Baptista fica fora do Q2 no Velo Città por apenas 0s151.

A Shell colocou dois pilotos entre os dez mais rápidos no grid de largada da primeira corrida da rodada dupla da Stock Car no Velo Città. Ricardo Zonta avançou ao Q3 e vai sair na sexta colocação, enquanto Gaetano di Mauro voltou a emplacar um top 10 e parte em nono no grid de largada.

Substituto de Átila Abreu, que recebeu a recomendação de não correr em Mogi Guaçu para a total consolidação da fissura na vértebra L2, o estreante Vitor Baptista ficou em 22º no grid, três colocações à frente de Galid Osman.

No primeiro grupo, Gaetano ficou em sétimo, a 0s3 do melhor, enquanto Zonta foi o nono. No segundo grupo, Galid Osman terminou com o 25º lugar, enquanto Vitor Baptista acabou três posições à frente, a apenas 0s151 de avançar. Tanto Di Mauro, em décimo lugar, como Zonta, em 12º, conseguiram avançar no treino.

Ricardo Zonta começou bem o Q2 e logo estabeleceu a melhor marca, com 1m28s025, a ponto de recolher o carro aos boxes para poupar pneus visando ao Q3. Gaetano di Mauro ficou perto de também se classificar, mas acabou em nono no grid, a 0s118 da posição de corte, a sexta.

No Q3, o aumento da temperatura foi prejudicial a Ricardo Zonta, que não teve como repetir o desempenho da parte anterior do treino e ficou com a sexta posição.

Neste domingo, os pilotos Shell largam para a primeira corrida às 13h, enquanto a segunda prova terá seu começo às 14h15. O SporTV2 transmite as duas corridas ao vivo.

O que eles disseram:

"Trabalhamos bastante no carro tentando cuidar dos pneus, e estávamos contando com que a temperatura ficasse bem quente. No Q3, baixou bastante a temperatura e perdemos a nossa jogada, que era aproveitar o calor. Vamos analisar onde que vem o tempo, mas senti o carro escorregando nas quatro rodas. Estar entre os seis é bom, dá para fazer uma ótima corrida. Nosso carro de corrida é um dos melhores, independentemente se fizer chuva ou sol, e estou bem animado"

Ricardo Zonta, piloto da Shell V-Power no carro #10

"Com certeza foi um dia positivo. Não começamos tão bem, mas evoluímos em cada treino. Falta achar o equilíbrio ideal do carro, mas estamos buscando isso a cada saída. Vamos tentar nos posicionar bem no começo da corrida e ver o que vai acontecer mais para a frente."

Gaetano di Mauro, piloto da Shell Helix Ultra no carro #11

"Aqui não tem chance para um errinho, você sabe que vai lá para trás, os tempos são muito próximos. Foi a primeira vez, o primeiro dia no carro, é pouco tempo para se adaptar, mesmo assim sabemos que temos trechos bem próximos dos primeiros colocados. Faltou encaixar a volta, sabíamos que poderíamos ter entrado entre os 15. Amanhã a corrida é longa, com parada nos boxes, e vamos para cima."

Vitor Baptista, piloto da Shell V-Power no carro #120

"Foi abaixo do que eu esperava. Não deu tempo de colocar o pneu bom no treino livre, e isso me prejudicou para o fim de semana todo. De todos os pilotos, fui o que menos andou com pneu bom, já saí com o pneu velho. Cerca de 90% do grid colocou pneu novo. Amanhã é fazer uma corrida com cabeça para tentar chegar a primeira em décimo e vamos para cima na segunda."

Galid Osman, piloto da Shell Helix Ultra no carro #28

Grid de largada:

1º T.Camilo - 1m27s926
2º R.Maurício - 1m28s081
3º D.Serra - 1m28s141
4º F.Fraga - 1m28s181
5º G.Casagrande - 1m28s311
6º R.Zonta - 1m28s380
7º M.Gomes - 1m28s323
8º R.Barrichello - 1m28s359
9º G.di Mauro - 1m28s437
10º D.Nunes - 1m28s455

Sobre a Raízen:

A Raízen, licenciada da marca Shell no Brasil, se destaca como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no Brasil, atuando em todas as etapas do processo: cultivo da cana, produção de açúcar, etanol e energia, comercialização, logística interna e de exportação, distribuição e varejo de combustíveis. A companhia conta com cerca de 30 mil funcionários, que trabalham todos os dias para gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir dos coprodutos da cana-de-açúcar. Com 26 unidades produtoras, a Raízen produz cerca de 2,0 bilhões de litros de etanol por ano, 4,2 milhões de toneladas de açúcar e tem capacidade para gerar cerca de 940 MW de energia elétrica a partir do bagaço da cana-de-açúcar. A empresa também está presente em 66 bases de abastecimento em aeroportos, 67 terminais de distribuição de combustível e comercializa aproximadamente 25 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo. Conta com uma rede formada por mais de 6.000 postos de serviço com a marca Shell, responsáveis pela comercialização de combustíveis e mais de 950 lojas de conveniência Shell Select. Além disso, a companhia mantém a Fundação Raízen, que busca estar próxima da comunidade, oferecendo qualificação profissional, educação e cidadania. Criada há mais de 14 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012.

Notícias

Página inicial