Motor On Line
Notícias-

Stock Car: Prati-Donaduzzi volta mostrando força
Reportagem: Márcio Fonseca
Foto: Vanderley Soares
MF2
Campos leva nova equipe ao 4º lugar nos treinos extras; Serra é o mais rápido em Goiânia.

Como cartão de apresentação, foi mais do que promissor. Na primeira experiência de pista na nova estrutura comandada por Rodolpho Mattheis, a Equipe Prati-Donaduzzi mostrou força nos treinos extras que abriram nesta quinta-feira em Goiânia a programação de abertura da temporada 2017 da Stock Car. O paranaense Júlio Campos, novamente reunido com o amazonense Antonio Pizzonia, foi o 4º melhor das duas sessões, ambas dominadas pelo paulista Daniel Serra (RC), que estabeleceu o giro mais veloz na primeira com o tempo de 1min24s387. Pizzonia, ainda se ressentindo do ano praticamente parado em 2016, foi o 17º pela manhã e o 14º no período da tarde.

A Equipe Prati-Donaduzzi está de volta à Stock Car depois de um ano sabático. Por isso, os resultados animadores de um dia marcado pelo forte calor na capital de Goiás - temperatura ambiente acima dos 30 graus - foram recebidos com satisfação. "Foi um proveitoso em termos de entrosamento. Acho que fizemos bem em nos reunir na sede em Petrópolis com as diversas pessoas que também chegaram recentemente. A interação foi bem legal e, se a pré-temporada não foi guiando, foi dentro da oficina e nos permitiu vir para cá sabendo o que precisávamos. Já esperávamos que o carro fosse rápido durante todo o ano. Saímos rápidos de cara e a nossa programação já previa trocar o motor para testar o reserva. Infelizmente, perdemos 15 minutos dentro dos boxes e quando saímos houve uma pane num sensor do motor. Além disso, duas bandeiras vermelhas interromperam a sessão. Só pude dar uma volta com o melhor pneu que tínhamos. Faltaram ajustes, mas estamos felizes por estar entre os cinco melhores, que é nosso objetivo no ano", explicou Campos, depois de cravar a marca de 1min24s743 na parte da tarde.

Pizzonia se disse contente com a volta à categoria numa equipe com histórico tão bom. "A dedicação é visível e os mecânicos amam o que fazem. Esse primeiro contato foi muito bom. Tenho de ter um pouco de paciência porque vou precisar de um certo tempo de readaptação por causa desse longo espaço de tempo fora das pistas, o maior da minha carreira. Acho que talvez precise de duas ou três corridas para retornar ao meu ritmo normal. Mas estou me adaptando bem e animado com o que apresentamos hoje." Sua melhor volta foi de 1min25s119, também à tarde.

O diretor-técnico da Prati-Donaduzzi também celebrou o pontapé inicial. "A velocidade do Pizzonia me impressionou para quem ficou tanto tempo parado. Ele chegou virando de cara e sem o botão de ultrapassagem, que apresentou um problema e o fez perder cerca de quatro décimos de segundo em relação aos concorrentes. No primeiro tempo ele já deveria ter feito um top 5. Foi bastante animador. Ele é calmo e transmite informações precisas. Começamos o trabalho com velocidade e isso me deixa esperançoso para o ano. O Julinho também andou rápido imediatamente. Testamos umas linhas diferentes porque ao longo do campeonato não teremos essa oportunidade e parece que já temos um caminho com potencial. Resumindo, começamos bem. A equipe trocou a motor em uma hora e meia e já estamos consolidados em relação ao rendimento de cada um dos motores", afirmou.

Os carros voltarão ao traçado goiano nesta sexta-feira para uma única sessão de treinos livres, dividida em dois grupos de 15 carros. A definição do grid, como de hábito, será conhecida no sábado, mas com novo regulamento desportivo inspirado no modelo da Fórmula 1 - três sessões, duas eliminatórias e a última reservada aos seis mais velozes em apenas uma volta lançada. Domingo, a rodada dupla será aberta às 13 horas.

Notícias

Página inicial