Motor On Line
Notícias-

Stock Car: Átila leva Shell à 3ª colocação nos treinos livres em Interlagos
Reportagem: Luis Ferrari
Foto: José Mário Dias
Numa sexta-feira marcada pela chuva em alguns momentos e pista seca em outros, piloto do carro #51 fica a apenas 0s203 da primeira posição.

A Shell teve Átila Abreu ocupando a terceira colocação no primeiro dia de treinos livres para a última corrida da temporada de 2019 da Stock Car, no Autódromo Internacional José Carlos Pace, em Interlagos.

À tarde, com a pista em melhores condições após a chuva da manhã em seu grupo, o piloto do carro #51 completou sua melhor volta em 1m37s812, a apenas 0s203 da primeira colocação da sexta-feira.

Num dia de condições mistas e distintas para os dois grupos de pilotos em ambas as sessões, Ricardo Zonta ficou em 13º, com Galid Osman em 17º e Gaetano di Mauro em 21º.

A programação da última corrida da Stock Car continua neste sábado, com mais um treino livre, às 10h05. A classificação, com transmissão ao vivo do site Globoesporte.com, tem formato diferenciado.

Após o Q1 e o Q2, o Q3 terá os seis pilotos na pista ao mesmo tempo, e a média das voltas mais rápidas classificará três deles para a Super Pole, na qual os candidatos ao primeiro lugar farão voltas lançadas.

Na corrida, os pilotos serão obrigados a largar com a quantidade de gasolina da classificação, o que tende a fazer os melhores do grid abastecerem por mais tempo na corrida. Já a escolha de pneus será livre.

A prova única do fim de semana, às 10h10 de domingo, terá 40 minutos mais uma volta, e os pilotos serão obrigados a fazer um pit stop para reabastecimento e troca obrigatória de um pneu. A pontuação será dobrada, e o vencedor levará 60 pontos. A corrida será mostrada ao vivo pela TV Globo.

Todos os pilotos da Shell concorrem ao Fan Push, um disparo extra do botão de ultrapassagem para os seis mais votados no site oficial (www.stockcar.com.br) Os fãs podem votar até o começo da prova.

O que eles disseram:

"Foi um dia diferente porque a chuva pela manhã atrapalhou no primeiro treino. Saímos para andar e tinha trechos molhados e secos, e aí veio uma chuva forte, não conseguimos andar nem no seco, nem no molhado. No segundo treino, a dinâmica foi diferente. A previsão é de amanhã é de chuva para a manhã e seco para a tarde, então não tivemos muito tempo para mexer no carro. Simulamos condições para que se a tomada for no seco e o treino, no molhado, já tenhamos um caminho. Foi um treino muito rápido, o carro se comportou de uma maneira interessante. Nossos pneus eram muito velhos, então não dava para fazer uma leitura perante os outros. Ainda não estou 100% satisfeito, o carro pode ter um equilíbrio melhor, ainda mais que temos de classificar e correr com o mesmo acerto, temos de fazer um carro rápido para a tomada, mas que preserve o pneu na corrida. Vamos analisar os dados, mas começamos bem e pode ser um fim de semana promissor."

Átila Abreu, piloto da Shell V-Power no carro #51

"Foi difícil. No primeiro treino, choveu, e a gente optou por não sair. Agora, no segundo treino livre, o grupo 1 pegou a pista seca, e pegamos a pista indo para chover, começou a pingar, e a pista ficou bastante escorregadia. Comecei com pneus muito velhos, e quando coloquei um pneu melhor, a pista já tinha mudado demais. É uma pena, estamos com um balanço de carro muito bom. Agora é tentar achar as condições exatas da pista que sejam iguais para todos, e aproveitarmos o melhor momento da pista."

Ricardo Zonta, piloto da Shell V-Power no carro #10

"O dia foi complicado para todos, com chove, para, seca, molha... Isso deu uma atrapalhada no cronograma das equipes, inclusive a nossa, mas no fim deu para andar bem no seco. Andamos com o carro bem pesado, então nossa referência é boa. Estamos evoluindo o carro, vamos tentar melhorar o carro e largar numa boa posição."

Galid Osman, piloto da Shell Helix Ultra no carro #28

"Dia um pouco atípico aqui, tivemos muita diferença de pista. Um treino foi na chuva, e no outro não andamos. No segundo não consegui andar com o pneu bom. Está incerto, não sabemos como estão as coisas, vai começar a aparecer tudo amanhã. Agora é trabalhar e ver o que dá para fazer, e acelerar."

Gaetano di Mauro, piloto da Shell Helix Ultra no carro #11

Melhores tempos da sexta-feira:

1º M.Gomes - 1m37s609
2º D.Navarro - 1m37s653
3º Á.Abreu - 1m37s812
4º M.Coletta - 1m38s107
5º R.Suzuki - 1m38s167

Sobre a Raízen:

A Raízen, licenciada da marca Shell no Brasil, se destaca como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no Brasil, atuando em todas as etapas do processo: cultivo da cana, produção de açúcar, etanol e energia, comercialização, logística interna e de exportação, distribuição e varejo de combustíveis. A companhia conta com cerca de 30 mil funcionários, que trabalham todos os dias para gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir dos coprodutos da cana-de-açúcar. Com 26 unidades produtoras, a Raízen produz cerca de 2,0 bilhões de litros de etanol por ano, 4,2 milhões de toneladas de açúcar e tem capacidade para gerar cerca de 940 MW de energia elétrica a partir do bagaço da cana-de-açúcar. A empresa também está presente em 66 bases de abastecimento em aeroportos, 67 terminais de distribuição de combustível e comercializa aproximadamente 25 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo. Conta com uma rede formada por mais de 6.000 postos de serviço com a marca Shell, responsáveis pela comercialização de combustíveis e mais de 950 lojas de conveniência Shell Select. Além disso, a companhia mantém a Fundação Raízen, que busca estar próxima da comunidade, oferecendo qualificação profissional, educação e cidadania. Criada há mais de 14 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012.

Notícias

Página inicial